17 de dez de 2008

FÍSICA NEWTONIANA

Para Eliana Mara Chiossi

A professora de literatura dá aulas de química pura, no Mundo. Respondo por aqui, em verbo mecânico, isento de emoção e na qual é cartesiana toda a relatividade possível.

No último estágio de ilusão, não há calor nem frio, só corpos e ilusão. A contradição, lei universal da História, ensina que uma ação provoca sua antítese. O que transparece é (mais uma vez) ilusão - de ótica. Se há calma, menos gelo na superfície. Se fogo, há mais que superfície. No outro extremo, estremeço: o amor é anti matéria...
.

3 comentários:

Eliana Mara Chiossi disse...

RM, adorei o marcador: "conversando com o Mundo". Este projeto seu e da Luciana me interessam, acho que tem muita coisa boa pra acontecer dessa conversa inter-blogs (será que é assim que se escreve?).
Sabe, quando escrevi este texto, nem pensei nisso tudo. Mas me veio algo sensorial mesmo. A imagem de gelo que queima, e já disse em outro lugar que sou meio burra para verdades da física (e da astronomia também) e tem coisas que mesmo entendo cognitivamente, não me convencem. Mas na escrita essas verdades algo insólitas se acomodam. E o amor para mim é uma verdade insólita. Como já dizia o velho Camões: dor que desatina sem doer e gelo que lá no extremo queima!
Adorei essa conversa... Que venham outras!

Luciana G. disse...

Bem, e que posso dizer eu?
Que o economista me surpreende, às vezes. Que bom.

Um rapaz meio fogo que esfria. Ou meio gelo que queima?

Eliana, o Mundo está cada vez melhor, aberto a mais e mais inscrições. Faltando mesmo, apenas a publicãção...

rm disse...

Meio fogo nada, dona Luciana!

Como se dizia antigamente: "pode vir quente que eu estou fervendo..." rsss