14 de out de 2009

ROTEIRO IMPROVISADO (by RM)

.
Não dou beijo de despedida, sentido de carinho, antes que você não se dirija ao embarque.

Antes disso, não invento nenhum pretexto para não me ausentar naquele dia e horário, nem saio em desabalada carreira para que você não se atrase.

Algumas horas antes, não relembro os momentos de afeto e prazer que não partilhamos. Na noite anterior, não me preocupo em explicar porque não preciso ir embora.

Imediatamente antes, não acordo ao seu lado e não me aninho em seu colo antes de não dormir.

Não me deixo cair exausto. Não tremo de prazer. Não procuro sua boca. Não sinto suas mãos em mim, nem as minhas em você. Não me deito sobre você, nem, extasiado, a sustento sobre mim. Não beijo seus seios nem exploro seu corpo. Não sinto seus sabores nem cheiros. Não experimento sua boca. Não a desnudo nem sinto sua maciez.

Não sinto palpitar o coração; não se altera minha respiração ao me aperceber do desejo mútuo. Não me divirto com você. Não me estimulo ouvindo sua voz. Não nos encontramos.

Um dia a menos não arquiteto nenhum plano infalível, às minúcias, para que não possamos passar juntos algum tempo.

Não me afeta saber que você chegou nem que veio por minha causa. Não me constrange não poder recebê-la ou encontrá-la. Tampouco me assombram dúvidas sobre as conseqüências. Não prefiro pensar que é bom e desejável.


Muito antes, me arrependo.
.


.

14 comentários:

Helô Müller disse...

Mineirim, mineirim, tenho a ligeira impressão de que não captei AINDA a mensagem de seu roteiro improvisado...
Li "não" demais em cada frase... Será o tipo de roteiro "à la Porcina", ou seja, aquele que foi sem nunca ter sido?? Sei lá se soube me explicar!rs Melhor eu ir "naná" e voltar amanhã pra relê-lo... Não é uma boa idéia ??rs
Beijos obtusos!!
Helô

rm disse...

Helô, gatona;
acho que a interpretação do texto sempre deve ser deixada ao leitor, mas pela modesta experiência que tenho com as letras posso garantir que: a) pode ser tudo "mentira", ficção; b) pode ser tudo "verdade"; c) pode combinar, o que é bastante comum, características dos 2 anteriores.

Volte sim; nada como uma boa noite de sono... rss

Cora disse...

...improvisado e improvável? ^^

rm disse...

Você achou, Cora?

Bem, ainda estou em dúvida... rss

Udi disse...

Isso é que eu chamaria de um homem livre!

(uau, parceirim! não vai precisar de outra cti prá mais um texto desses, né?)

rm disse...

Ei Mrs. Japinha,
"free as a byrd!"

(jeito maneira: tô fora! rss)

Mr. Almost disse...

Well,

Não desfazendo a opinião de ninguém e com todo o respeito por outras posições, acho que o mineirim tá com fome de comer.

Luna Sanchez disse...

Ao contrário, devagar e sempre...ainda que negando.

Eu gostei, moço. Se foi improvisado, então, gostei ainda mais : improviso tem naturalidade e charme, coisas que faltam aos ensaios.

Beijos, dois.

ℓυηα

peixe disse...

RM,
afinal o poeta invisível e sensível dando de si, trazendo à luz seus encantos, gentilezas peçonhentas...? A beleza das palavras é irreprensível, porém, e como muito bem observa, cada um faz sua leitura... e diz sua amiga que o diabo mora nos detalhes. Ora também não só o diabo, mas os detalhes! ah por mais que a descrição os deixe ampliar e qq um os transforme em molde emotivo, poético, sobra sempre os detalhes nunca ditos, por isso irrepetíveis e inimitáveis... eu amo esses detalhes, precisamente aqueles que não encontro, os que nÃO vou descobrindo. É difícil enganar o coração, né? e depois de piripaques que tais nunca mais nos confundimos, ou nos confundem, nem palavras, nem cantos, não... os detalhes!
Mas valeu- belíssimo texto! parabéns e traga mais desses. as melhoras.

rm disse...

Portuga,
fome de "beber" é que não seria, né? rss

Luna,
também pode ser rápido e sempre, mas negar é fundamental... rss
Ah, improviso também é fundamental. Thanks, gauchinha.

Peixe,
encantado com seu comentário. Eu "cometo" uns textículos desses vez em quando, mas nada que minha autocrítica não reduza ao seu real significado: apenas textinhos. Estão por aí, espalhados pelos blogs...
Acho verdade que formamos grande parte de nossa percepção das coisas e pessoas, a partir de certos detalhes, "diabólicos" ou não - mas também é certo que não é nossa única fonte de informações. Veja por exemplo, no meu caso, que desconheço "detalhes" absolutamente básicos sobre você (tais como sua idade, formação, profissão, etc), e isto não me impede de ter, cada vez mais, boa impressão da amiga...
Agradeço o gentil e carinhoso comentário.

Denise disse...

Estranhamemte lembrei de uma canção.
Como a interpretação do texto é de quem lê lá vai:
Negue seu amor e seu carinho,dica que vc já me esqueceu(...)
(...)Que eu mostro a boca molhada e ainda marcada pelos beijos teus.

Beijo

rm disse...

Ei Denise,
quem sou eu para discutir sua interpretação? Afinal, apenas escrevi o textinho... rss

Mas desde logo aceito sua sugestão de música. Trata-se de samba-canção, famoso bolerão brasileiro, escrito por Adelino Moreira, especialmente para Nélson Gonçalves.

Thanks, querida!

Denise disse...

Bem legal a sugestão que eu ROUBEI para minha proxima postagem......uma saga vingativa de uma amante (rindo)

ando assim tão malllllllllllvadinha rs

beijocas querido

Daniel Savio disse...

Menino RM, eu já estranharia o texto, pois estar longe do amada gera tristeza e saudades, mas você explicou no final...

Fiquem com Deus, menino RM e meninas.
Um abraço.